• Localização

    Av. Marginal João Olézio Marques, nº 3563
    Centro Empresarial Zanini | Sertãozinho

  • Contato

    orcamento@diagnerg.com.br
    (16) 3945-1223

EPE, GIZ e ONS iniciam estudo sobre inserção das renováveis na matriz energética nacional

Imagem: SXC Imagem: SXC

A Empresa de Pesquisa Energética e a GIZ - Sociedade Alemã para Cooperação Internacional -, com a participação do ONS, deram início ao projeto "Aspectos a considerar na inserção de fontes renováveis de energia na matriz energética brasileira", que faz parte da iniciativa "Sistemas Energéticos do Futuro: Integrando fontes de energia renovável intermitente na matriz energética brasileira", no âmbito da cooperação Brasil-Alemanha.

Para realizar o estudo, após o processo de licitação internacional, foi contratada a empresa Lahmeyer International, que tem como parceiras a Engie Tractebel e a PSR. O prazo para a realização dos trabalhos será de 14 meses.

O levantamento irá mostrar como o sistema elétrico nacional precisa se preparar - em termos de operação e expansão - para suportar o aumento das energias renováveis com geração variável ao longo do dia, e quais são os pontos críticos e os cenários de inserção dessas fontes. Também serão avaliados os recursos tecnológicos disponíveis para atenuar os impactos da penetração dessas fontes no SIN no médio e longo prazos.

O projeto é considerado inovador, visto que levará em conta o planejamento da expansão e a operação do sistema de forma integrada, incluindo a utilização de resultados quantitativos, a partir de simulações realizadas por ferramentas computacionais. Serão objeto do estudo as fontes eólica, solar e a combinação dessas fontes com armazenamento de energia.

Para a gestão, o projeto foi dividido em cinco produtos, que incluem capacitação às instituições participantes, visando a transferência de conhecimento e tecnologia. São Estudos Regulatórios, Energéticos, Elétricos, Metodológicos e Tecnológicos. Na medida em que os resultados estiverem prontos, as organizações irão apresenta-los e discuti-los com a sociedade.

fonte: Udop, com informações do CanalEnergia

Digite o que você procura